Poema sobre amizade

Pode ser que um dia deixemos de nos falar...
Mas, enquanto houver amizade,
Faremos as pazes de novo.
Pode ser que um dia o tempo passe...
Mas, se a amizade permanecer,
Um de outro se há-de lembrar.
Pode ser que um dia nos afastemos...
Mas, se formos amigos de verdade,
A amizade nos reaproximará.
Pode ser que um dia não mais existamos...
Mas, se ainda sobrar amizade,
Nasceremos de novo, um para o outro.
Pode ser que um dia tudo acabe...
Mas, com a amizade construiremos tudo novamente,
Cada vez de forma diferente.
Sendo único e inesquecível cada momento
Que juntos viveremos e nos lembraremos para sempre.
Há duas formas para viver a sua vida:
Uma é acreditar que não existe milagre.
A outra é acreditar que todas as coisas são um milagre.
Albert Einstein

sexta-feira, 11 de abril de 2008

O Homem é um animal político


O texto aristotélico da Política teve uma grande influencia no desenvolvimento da ciência política em nossa tradição e faz parte de um conjunto de estudos que inclui o exame de um grande numero de constituições das cidades-estados gregos da época, das quais só chegou até nós. A constituição de Atenas. A passagem selecionada contém a célebre definição aristotélica do homem como “animal político” (zoon politikón).

“E evidente que a cidade faz parte das coisas naturais, e que, o homem é por natureza um animal político”. E aquele que por natureza, e não simplesmente por acidente, se encontra fora da cidade ou é um ser degradado ou um ser acima dos homens, segundo Homero (Ilíada IX, 63), denuncia, tratando-se de alguém sem linhagem, sem lei, sem lar.
Aquele que é naturalmente um marginal ama a guerra e pode ser comparado a uma peça fora do jogo. Daí a evidencia de que o homem é um animal político mais ainda que as abelhas ou que qualquer outro animal gregário. Como diremos frequentemente, a natureza não faz nada em vão: ora, o homem é o único entre os animais a ter linguagem [logos]. O simples som é uma indicação do prazer ou da dor, estando, portanto presente em outros animais, pois a natureza consiste em sentir o prazer e a dor e em expressá-los, Mas a linguagem tem como objetivo a manifestação do vantajoso e do desvantajoso, e, portanto do justo e do injusto. Trata-se de uma característica do homem ser ele o único que tem o senso do bom e do mau, do justo e do injusto, bem como de outras noções deste tipo. “É a associação dos que têm em comum essas noções, que constitui a família e o Estado”.

Atividades

Por que, segundo Aristóteles, devemos afirmar que o homem é um animal político?

Qual a importância da linguagem para Aristóteles?


Vida
Aristóteles (em grego Αριστοτέλης) nasceu em Estagira, na Calcídica, território macedônico. O grego, no entanto, era o idioma falado. Era filho de Nicômaco, amigo e médico pessoal do rei macedônio Amintas II, pai de Filipe e avô de Alexandre, o Grande. É provável que o interesse de Aristóteles por biologia e fisiologia decorra da atividade médica exercida por seu pai.
Com cerca de dezesseis ou dezessete anos partiu para Atenas, maior centro intelectual e artístico da Grécia. Como muitos outros jovens de seu tempo, Aristóteles foi para aquela cidade a fim de prosseguir os estudos. Duas grandes instituições disputavam a preferência dos jovens: de um lado estava a escola de Isócrates, que visava preparar o aluno para a vida política e, de outro lado, estava Platão e sua Academia, que dava preferência à ciência (episteme) como fundamento da realidade. Apesar do aviso de quem não conhecesse geometria ali não deveria entrar, Aristóteles decidiu-se pela Academia platônica e nela permaneceu até 347 a.C., ano que morre Platão.
Com a morte de seu grande mestre e com a escolha do sobrinho de Platão, Espeusipo, para a chefia da Academia, Aristóteles partiu para Assos com alguns ex-alunos da Academia. Dois fatos parecem se relacionar com esse episódio. O primeiro, é o fato de Espeusipo representar uma tendência interna que desagradava imensamente Aristóteles, isto é, a matematização da filosofia. O segundo, é o fato de Aristóteles ter-se sentido preterido(rejeitado), já que se julgava o mais apto para assumir a direção da Academia platônica.
Em Assos, Aristóteles fundou um pequeno círculo filosófico com a ajuda de Hérmias, tirano local e eventual ouvinte de Platão. Lá ficou por três anos e casou-se com Pítias, sobrinha de Hérmias. Sendo Hérmias assassinado, Aristóteles partiu para Mitilene, na ilha de Lesbos, onde realizou a maior parte de suas famosas investigações biológicas. No ano de 343 a.C. tornou-se preceptor de Alexandre, função que exerceu até 336 a.C., quando Alexandre subiu ao trono.
Neste mesmo ano, de volta a Atenas, Aristóteles fundou o Liceu e seus alunos ficaram conhecidos como peripatéticos (os que passeiam), nome esse decorrente do hábito de Aristóteles de ensinar ao ar livre, muitas vezes sob as árvores que cercavam o Liceu. Ao contrário da Academia de Platão, o Liceu privilegiava as ciências naturais. O próprio Alexandre enviava para seu antigo mestre exemplares da fauna e flora das regiões conquistadas.
Aristóteles dirigiu sua escola até 323 a.C., pouco depois da morte de Alexandre. Em vista disso, os sentimentos antimacedônios dos atenienses voltaram-se contra Aristóteles. Sentindo-se ameaçado, deixou Atenas dizendo que não iria permitir que a cidade cometesse um segundo crime contra a filosofia (alusão ao julgamento de Sócrates). Deixou sua escola aos cuidados de seu principal discípulo, Teofrasto (371 a.C. - 287 a.C.) e retirou-se para Cálcis, na Eubéia, onde morreu no ano seguinte.

Bibliografia: Textos Básicos de Filosofia(Editora Zahar)- Danilo Marcondes; Wikipédia